sexta-feira, 11 de abril de 2014

5 Dicas que Giovane (do vôlei) dá para Executivos

Olá Amigos,
Saúde e paz!
O artigo de hoje traz dicas de um grande campeão. Através de sua história de vida e titulos, podemos perceber que tem muito a nos ensinar.
Espero que possamos aprender e praticar o que ele nos ensina!
Desejo-lhes muito crescimento, contínuo sucesso e ótimo fim de semana!
Atenciosamente,

Cláudia Conegundes






Giovane Gavio
Giovane: “Todo mundo tem virtudes e precisa potencializar isso para vencer”, afirma.


“Eu não era talentoso, era bem treinado”, diz o ex-jogador de vôlei  Giovane Gavio, bicampeão olímpico. Aposentado das quadras, ele agora investe na carreira de palestrante e fez esta afirmação durante no 2º Fórum Internacional de Liderança e Coaching, promovido pela Sociedade Brasileira de Coaching, domingo passado em São Paulo.

Para um dos expoentes da história de sucesso do vôlei brasileiro, talento é apenas mais um ingrediente. O que fez a diferença na sua trajetória, diz o craque, foi o trabalho duro e a dedicação aos treinamentos.

Este, segundo Giovane, é apenas um dos pontos que o esporte e o mundo corporativo se aproximam. “Vejo muitas semelhanças. Todo dia, o esportista tem que se reinventar, buscar algo novo. Na vida corporativa é assim também”, explica.

Por isso, algumas lições de carreira que ele aprendeu durante a vida como atleta têm sido também valiosas para plateias de executivos Brasil afora. Confira as principais:

1 A diferença está na preparação

“As pessoas não podem achar que apenas aqueles que têm talento vão atingir o sucesso”, diz Giovane.

Para ele, sozinho, talento não faz muito pelo profissional que o carrega. “É apenas um ingrediente, a diferença está na preparação”, diz o muitíssimo bem “treinado” Giovane.

2 Para começar, foque nos seus pontos positivos

No começo de carreira como jogador de vôlei, Giovane logo percebeu que impulsão e envergadura dos braços eram dois grandes diferenciais que ele trazia.

Para se ter uma ideia, ele era capaz de saltar um metro, enquanto a média dos jogadores atinge a metade disso. Ao abrir os dois braços, atingia 2,15 metros de distância.

Saber aproveitar bem seus pontos positivos foi a mola propulsora para se dar bem nas quadras, neste início de carreira, diz.“Todo mundo tem virtudes e precisa potencializar isso para vencer”, afirma.

3 Continuidade é essencial

Para todo atleta, a palavra chave é persistência. “Não dá para tentar uma vez e, se não conseguir, já desistir e partir para outra”, diz Giovane.

Obstáculos sempre vão surgir na carreira de qualquer profissional (seja ele do esporte ou não). O segredo é não desistir logo na primeira barreira que encontrar.

4 Antes de um dia pesado de trabalho, medite

Para Giovane, o jogo começava muito antes de ele pisar na quadra. O craque tinha por hábito meditar durante alguns minutos e tentar visualizar o que estava por vir.

“Eu acredito muito em mentalização. Ajudava-me muito na preparação e a prever alguma situação negativa que poderia aparecer”, conta.

Estes minutinhos de reflexão interna, segundo ele, podem ser decisivos na hora de encontrar o caminho certo a seguir na carreira.

5 Se o preço é alto, faça valer a pena

O desgaste na cartilagem do joelho incomoda e a falta de tempo com a família é uma dor que Giovane também carrega. O primeiro é o preço físico que o ex-jogador pagou por tanto esforço em quadra. O segundo, o emocional. 

“Mas se me perguntam se estaria disposto a pegar estes preços novamente, eu digo não tenha dúvida disso”, diz. Por isso, a principal lição que ele quer transmitir aos executivos é simples: já que o preço é alto, faça valer a pena.





Nenhum comentário:

Postar um comentário