sexta-feira, 11 de julho de 2014

Líderes Sábios Focam no Bem Supremo

Olá Amigos,
Saúde e paz!
No texto de hoje o autor faz uma reflexão interessante sobre a busca de muitos líderes pelo bem estar geral, focando não apenas suas empresas, mas as demais pessoas.
Acredito que ampliar o olhar para aqueles que estão mais além, colabora para a construção de um mundo mais justo e melhor para todos.
Espero que apreciem.
Desejo-lhes muitas conquistas, contínuo sucesso e um fim de semana feliz!
Atenciosamente,

Cláudia Conegundes






Bill Gates assina o compromisso para erradicação da poliomelite em Kebbi, Nigéria



Nossos tempos requerem líderes que não são apenas inteligentes, mas também sábios. Líderes sábios desenvolvem estratégias que têm como alvo o bem maior, não apenas de uma organização ou individual. Quanto mais as companhias, comunidades e o mundo em geral revelarem tais líderes, melhor estaremos. E quanto mais capazes nos tornarmos em identificar o potencial para tal influência nas gerações mais jovens - e ajudando-as a cultivar essas qualidades - melhor será nosso futuro.

Fiquei inspirado com as palavras de Larry Brilliant, presidente da Skoll Global Threats Fund, um grupo que trabalha para prevenir crises mundiais, como pandemias e aquecimento global. Ele diz: "As civilizações deveriam ser julgadas não pela forma como eles tratavam pessoas próximas ao poder, mas como eles tratavam aquelas mais distantes do poder - seja em raça, religião, gênero, renda ou classe - bem como no tempo".

É evidente para mim que os melhores líderes agem a partir de aspirações além dos objetivos ou limites de uma organização ou grupo. Eles buscam curar a humanidade como um todo. Penso em Paul Polman, Bill Gates na fase filantrópica da sua carreira, ou Muhammad Yunus, fundador do Grameen Bankm, como exemplos.

Esses líderes são sintonizados com o sofrimento dos impotentes, e procuram reparar essa distorção tratando ou tentando curar doenças que afligem os pobres, aumentando a viabilidade de comunidades locais ou lutando contra a pobreza. E os impactos dos trabalhos deles serão sentidos no futuro.

Líderes sábios implicitamente seguem um dito que eu ouvi do Dalai Lama em uma conferência do MIT sobre sistemas globais. Ele sugere que quando nós arquitetamos decisões ou consideramos cursos de ação, deveríamos perguntar a nós mesmos: quem se beneficia com isso? Apenas nós mesmos ou um grupo? Apenas um grupo ou todos? E apenas no presente ou também no futuro?

Reconhecendo a repercussão de longo alcance de suas ações, esses líderes engajam a paixão das pessoas e adotam organizações onde o trabalho tem um significado mais profundo.

Os empregos então se transformam em  "bons trabalhos", uma situação emocionante onde as melhores habilidades das pessoas são totalmente exploradas, o foco delas aumenta, e o trabalho se alinha com seus valores. Tais locais de trabalho são potenciais ímãs para a próxima geração de líderes excepcionais.


Texto publicado originalmente no perfil do autor no LinkedIn e cedido gentilmente ao Administradores.com





Nenhum comentário:

Postar um comentário