segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Quando Você Quer, até o Fundo do Poço Ajuda

Olá Amigos,
Saúde e paz!
No texto de hoje o autor fala de suas próprias experiências, mostrando que para alcançarmos nossas metas é necessário ter foco, fé, trabalho, determinação, consistência, perseverança.
Sigamos em frente, confiando em nossas potencialidades e façamos acontecer o que desejamos.
Desejo-lhes muitas conquistas, contínuo sucesso e ótima semana!
Atenciosamente,

Cláudia Conegundes









Dentro d'água, quanto mais fundo você desce, mais você tem a sensação de que algo lhe empurra para cima. Essa força é chamada de empuxo.

Fazendo uma analogia menos física e um pouco mais filosófica, é possível tirar proveito do empuxo a nosso favor para reagirmos em situações adversas. Quanto mais fundo descemos no mar do caos, maior será a força de empuxo que poderemos usar a nosso favor para superá-lo.

Ainda me lembro bem, depois de mais de 5 anos gastando cerca de 4 horas por dia em transportes públicos lotados para estudar e trabalhar. Num determinado dia, em que levei quase 5 horas somente para chegar a um churrasco juntamente com minha namorada, após chegarmos no final da festa e com fome, tomei uma decisão definitiva: que não andaria mais de transportes públicos naquele estado degradante.

No entanto, há uma outra força contrária poderosa que é capaz de anular o empuxo: a autopiedade. No meio de uma situação extrema, sentir-se um coitado ou uma vítima das circunstâncias anula seu protagonismo e a sua força da reação de seu empuxo emocional. Em cenários assim, culpar terceiros, a sociedade, o fato de ser negro, por exemplo, considerar-se excluído socialmente ou afins, tira o protagonismo do indivíduo e sua chance de reagir, criar soluções e encontrar caminhos para mudar sua realidade. Em vez disso, fica imobilizado pelo coitadismo.

Alguns falam para mim: "você diz isso porque é rico". Eu sempre respondo: "dentre outras razões, fiquei rico por que sempre disse isso para mim mesmo, ainda lá dentro de um trem lotado com oito pessoas por metro quadrado". Ninguém me contou. Eu vivi isso na pele. Alguns de vocês sabem de minha origem simples na periferia do Rio de Janeiro. Outros, equivocadamente pensam que sou herdeiro de uma fortuna.

Outros também já me disseram: "Você diz isso porque não é negro". Eu respondo: "Sim, não sou negro, mas quando ouço isso de você, a minha vontade era de ser negro para lhe provar que ser negro não é um atestado de inferioridade e que, apesar da discriminação, a vontade e as escolhas do indivíduo é que determinam o destino do negro, branco, amarelo ou colorido". Tenho muitos amigos negros e conheço vários negros bem sucedidos, tanto no Brasil como nos EUA. Lembrando que enfrentar as barreiras dessa sociedade hipócrita nunca é fácil, mas é possível, sim. E é isso o que me interessa e é o que eu lhe aconselharia a levar em conta.

A síntese do que escrevo neste artigo é: qualquer adversidade influencia, mas não determina. Ser pobre influencia, mas o que determina é a minha atitude diante das adversidades a fim de superá-las. Ser negro e sofrer discriminações pode atrapalhar muito, além de incomodar e entristecer profundamente e eu compreendo, mas o que determina o seu destino - aliás, o destino de qualquer indivíduo - é determinado por sua atitude e suas escolhas para superar as adversidades cotidianas.

Na realidade, quanto mais escaldante é o seu desafio, maior será o empuxo. Não permita que o vírus do coitadismo anule essa força fantástica que existe a seu favor. Quanto maiores são as dificuldades maior será sua força para superá-las.

Falo por experiência própria.




Nenhum comentário:

Postar um comentário